A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 16, um reajuste médio de 16,12% nas tarifas da EDP-SP. Para consumidores conectados à alta tensão, o aumento será de 17,84%, e para a baixa tensão, a alta será de 15,13%. Já para a CEB, em Brasília, o reajuste médio aprovado foi de 6,50%. Para consumidores conectados à alta tensão, o aumento será de 7,31%, e para a baixa tensão, a alta será de 6,15%.

No Distrito Federal, as novas tarifas vigoram a partir de 22 de outubro, mas a aplicação do reajuste estará sujeito à comprovação, pela empresa, do pagamento de obrigações setoriais. A CEB tem apresentado dificuldades financeiras e registrado inadimplência no setor. A distribuidora atende a 1,1 milhão de unidades consumidoras no DF.

Já no Estado de São Paulo, as novas tarifas vigoram a partir de 23 de outubro. A EDP-SP atende a 1,8 milhão de unidades consumidoras em 28 municípios paulistas nas regiões do Alto do Tietê, Vale do Paraíba e Litoral Norte.

Companhia Piratininga de Força e Luz

A Aneel também aprovou um reajuste médio de 19,25% nas tarifas da CPFL Piratininga. Para consumidores conectados à alta tensão, o aumento será de 20,18%, e para a baixa tensão, a alta será de 18,70%.

As novas tarifas vigoram a partir de 23 de outubro. A CPFL Piratininga atende a 1,7 milhão de unidades consumidoras em 27 municípios paulistas, entre eles Santos, Sorocaba e Jundiaí.

Fonte: Estadão